Fígado Gordo... Tudo o que precisa de saber

Fígado Gordo... Tudo o que precisa de saber

Fígado gordo ou esteatose hepática define-se como a acumulação de lípidos (gordura), sobretudo triglicéridos, no interior das células funcionantes do fígado (hepatócitos), como gotículas lipídicas no meio intracelular, que vêm a coalescer para formar um grande vacúolo de gordura que deforma a célula e pode comprometer a sua viabilidade.

 A quantidade de gordura acumulada pode atingir mais de 2/3 do peso do fígado, levando a hepatomegália (aumento de volume do fígado), com desconforto ou dor no quadrante superior direito do abdómen.

Pode evoluir para esteatohepatite, em que se desenvolve inflamação crónica do fígado, com lesão das células hepáticas pelos lípidos tóxicos acumulados que, associado a sequelas da fibrose hepática concomitante, permite a transição para a cirrose hepática.

Quais são as causas?

 A causa mais frequente é o consumo de álcool continuado, acima do limiar estimado para risco para a saúde, ou seja, 140 g/semana de álcool nos homens e 70 g/semana nas mulheres, o que equivale a 2 ou 1 unidade de qualquer bebida alcoólica /dia (1 U= 1 copo de vinho, 1 cerveja, 1 dose de destilado), respectivamente.  O fígado gordo alcoólico torna-se quase inevitável com consumo superior a 80 g/dia de álcool, com risco de morte por cirrose alcoólica após período de 10-20 anos de esteatohepatite alcoólica subreptícia e assintomática.

No entanto, a preocupação actual é o acréscimo rápido da prevalência do fígado gordo não alcoólico (FGNA), relacionado com hábitos alimentares errados e sedentarismo crescente, conjugados com factores genéticos predisponentes, e que leva  a uma incidência crescente  de diabetes mellitus tipo 2 , devido à transição para esteatohepatite , com exportação de mediadores de inflamação crónica, a partir do fígado, para os restantes órgãos e tecidos,  promovendo a anulação da acção da insulina produzida pelo pâncreas (resistência à insulina) e consequente aparecimento da diabetes.

A esteatohepatite não alcoólica está associada a condições metabólicas também com prevalência crescente, como a dislipidemia (72%),  o excesso de peso/obesidade (82%) , diabetes (44%) e hipertensão arterial (68%), associadas na síndrome metabólica, ou isoladas como factor causal suficiente.

Quais os riscos para a saúde?

O risco do fígado gordo (FG) reside no seu potencial para progredir para esteatohepatite e cirrose hepática, devido à disrupção da estrutura organizada do fígado, pela inflamação e degenerescência/perda das células hepáticas (balonização e necrose), que estimula a formação de feixes de fibras de colagénio (septos fibrosos) que se enredam entre células e estruturas vasculares intra-hepáticas, delimitando ilhas de tecido viável mas desorganizado (nódulos de regeneração), o que corresponde à transição para cirrose.

Com se pode reverter o fígado gordo não alcoólico ou a esteatohepatite não alcoólica?

A única intervenção indispensável  é a alteração do estilo de vida, com um esforço continuado de aumento de actividade física, tão simples como um período de marcha diária, ou em dias alternados, e a modificação dos hábitos alimentares, com redução da ingestão de alimentos muito calóricos , não só na redução dos lípidos da dieta ( que só devem corresponder a 15% das calorias ingeridas), como também na redução dos hidratos de carbono (mantidos numa proporção de 55% das calorias ingeridas), no reforço do predomínio de vegetais e frutas, e na abolição das bebidas alcoólicas e açucaradas com frutose adicionada. Estão abandonadas as dietas cetogénicas, com abolição de hidratos de carbono, bem como regimes agressivos de perda de peso rápida ou excessiva, considerando-se o objectivo ideal a perda igual ou superior a 10% do peso inicial.

Deve-se acentuar que em todas as fases é imprescindível a correcção farmacológica e dietética da diabetes, dislipidémia, excesso de peso, doença cardiovascular, privilegiando o contacto próximo com especialistas de Medicina Geral e Familiar, Endocrinologia e Cardiologia.

Consulte-nos para mais informações.

Fonte: https://lifestyle.sapo.pt